SINDSEF - Sindicato dos Servidores Federais do Estado de Rondônia Caravana Sindsef Rondônia cumpre seu papel em Brasília – SINDSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia
domingo , setembro 25 2022
Home / Notícias / Destaque / Caravana Sindsef Rondônia cumpre seu papel em Brasília

Caravana Sindsef Rondônia cumpre seu papel em Brasília

A Caravana do Sindsef está retornando à Rondônia após quatro dias de mobilização em Brasília pela recomposição salarial de 19,99%. Mas, a jornada de luta continua e aguarda reposta do governo federal, que convocou as entidades representativas do funcionalismo público para reunião às 16h deste 1º de abril (horário de Brasília), para dizer se vai abrir as negociações da Campanha Salarial Emergencial.

Fique atento aos meios de comunicação oficiais do Sindsef.

ATUALIZANDO

De acordo com a Condsef, terminou em frustração a reunião chamada pelo Ministério da Economia na sexta-feira, 1º de abril. Após dias de diversas informações distintas divulgadas pela imprensa a respeito da intenção do governo Bolsonaro sobre reajuste de servidores federais, a reunião para receber uma informação oficial terminou com um discurso “mais do mesmo”. Parece mentira, mas a reunião serviu para o Ministério da Economia informar que não vai abrir um processo de negociação com servidores.

Para representantes do Fonasefe, que integram o conjunto de servidores públicos federais, a postura é lamentável. “Falam uma coisa para a imprensa e quando chegam para a gente numa mesa de negociação afirmam que não está aberto processo de negociação para discutir questões remuneratórias. Uma decepção”, resumiu o secretário-geral da Condsef/Fenadsef.

Sérgio Ronaldo reforçou que o que resta ao conjunto dos servidores é continuar fortalecendo o processo de mobilização e intensificando a greve. O governo informou que o prazo para decidir sobre propostas para o funcionalismo é 2 de junho. “Estão achando que enganam a quem? Vamos intensificar nosso processo de mobilização para que o governo atenda nossas reivindicações”, concluiu o secretário-geral da Confederação.