SINDSEF - Sindicato dos Servidores Federais do Estado de Rondônia Deputados de Rondônia votam contra trabalhadores e aprovam reforma trabalhista na Câmara – SINDSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia
quarta-feira , agosto 10 2022
Home / Notícias / Destaque / Deputados de Rondônia votam contra trabalhadores e aprovam reforma trabalhista na Câmara

Deputados de Rondônia votam contra trabalhadores e aprovam reforma trabalhista na Câmara

Sete deputados federais de Rondônia votaram a favor  do projeto de lei da reforma trabalhista (PL 6787/16, do Poder Executivo), aprovada na madrugada desta quinta-feira (27), no Plenário da Câmara dos Deputados. Dos oito parlamentares de Rondônia, apenas um deputado votou contra ao projeto que retira direitos conquistados pelos trabalhadores.
Confira como votaram os deputados de Rondônia:
O texto altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para prever, entre outras medidas, a prevalência do acordo sobre a lei, regras para o trabalho intermitente e o fim da contribuição sindical obrigatória e da ajuda do sindicato na rescisão trabalhista. A matéria será enviada ao Senado.
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Aprovada na forma do substitutivo do relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), a proposta estabelece que a convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho prevalecerão sobre a lei em 16 pontos diferentes, como jornada de trabalho, banco de horas anual, intervalo mínimo de alimentação de meia hora, teletrabalho, regime de sobreaviso e trabalho intermitente. Poderão ser negociados ainda o enquadramento do grau de insalubridade e a prorrogação de jornada em ambientes insalubres, sem licença prévia do Ministério do Trabalho.

Confira os pontos do projeto

Em negociações sobre redução de salários ou de jornada, deverá haver cláusula prevendo a proteção dos empregados contra demissão durante o prazo de vigência do acordo. Esses acordos não precisarão prever contrapartidas para um item negociado.

O texto determina que mudanças na duração do trabalho e nos intervalos de alimentação não serão consideradas como normas de saúde, higiene e de segurança do trabalho, proibidas de serem negociadas por acordo.

Além dessas normas, não poderão ser reduzidas ou suprimidas várias outras, como as garantidas pela Constituição e aquelas da CLT relativas a direitos de mulheres no ambiente de trabalho.

Com informações da Agência Câmara Notícias