SINDSEF - Sindicato dos Servidores Federais do Estado de Rondônia Paulo Guedes tripudia novamente e ameaça deixar servidores sem salários caso PECs não sejam aprovadas – SINDSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia
domingo , outubro 2 2022
Home / Notícias / Destaque / Paulo Guedes tripudia novamente e ameaça deixar servidores sem salários caso PECs não sejam aprovadas

Paulo Guedes tripudia novamente e ameaça deixar servidores sem salários caso PECs não sejam aprovadas

O ministro da Economia, Paulo Guedes, em minado de todas as formas os servidores federais, com ameaças de que o governo ficará sem recursos para pagar salários do funcionalismo, caso a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos precatórios e a PEC 32 da Reforma Administrativa não sejam aprovadas.

O Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia – Sindsef/RO repudia esse ataque do ministro da Economia.

A PEC dos Precatórios que visa parcelar por 10 anos o pagamento de dívidas judiciais da União com valores superiores a R$ 66 bilhões é vista com gravidade pelo Sindsef/RO que representa 32 categorias federais.

“Passamos 30, 20, 15 anos para ganhar um precatório. Esse cidadão que no final de toda sua batalha, esperava receber o que é seu de direito no final de 2022, não mais receberá caso passe também essa PEC. Novamente o servidor público é penalizado e inserido na sociedade como o vilão da crise econômica”, contesta presidente do Sindsef/RO, Mário Jorge

O presidente Mário Jorge também faz crítica a resposta insana dada pelo governo federal por meio do Ministério da Economia para Condsef/Fonasef, atrelando a negociação salarial dos servidores federais somente se passar a PEC 32 da Reforma Administrativa.

“O Governo Federal que enfraquecer o movimento sindical que vêm realizando uma intensa campanha contrária à aprovação da PEC 32 que  representa um gravíssimo retrocesso não apenas para os servidores públicos, mas para toda a sociedade, visto que acaba com a educação pública, com o Sistema Único de Saúde (SUS) e outros serviços públicos essenciais a sociedade”, alerta o presidente do Sindsef/RO.