SINDSEF - Sindicato dos Servidores Federais do Estado de Rondônia Servidores de várias categorias paralisam atividades em Rondônia – SINDSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia
domingo , julho 3 2022
Home / Notícias / Destaque / Servidores de várias categorias paralisam atividades em Rondônia

Servidores de várias categorias paralisam atividades em Rondônia

Sindicatos de várias categorias paralisaram as atividades nesta quarta-feira (15) em Porto Velho e algumas cidades do interior de Rondônia em protesto contra as reformas da Previdência e Trabalhista, do governo federal. Segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT) no estado, cerca de mil pessoas estiveram na concentração nesta manhã, mas espera-se pelo menos cinco mil pessoas durante a marcha que iniciou na Praça da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré. A PM não estava no local para estimar a quantidade de pessoas presentes no evento.

Em Porto Velho há paralisação dos servidores da educação municipal e estadual, participação do Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB), servidores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e metalúrgicos.

A CUT lidera o movimento na capital e organizou uma manifestação que começou a se concentrar na Praça da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré às 8h30 e uma marcha que saiu do local às 9h55 sem previsão para término. Os manifestantes devem passar pela Avenida Sete de Setembro, Avenida Pinheiro Machado, até chegar a Assembleia Legislativa do Estado (ALE).

 

Reformas do governo federal
A reforma da Previdência proposta pelo governo prevê, entre outras coisas, a idade mínima de 65 anos para a aposentadoria. A gestão Temer também apresentou um projeto para mudar a legislação trabalhista. Uma das ideias é permitir que negociações coletivas se sobreponham à lei.

Alexandra Brasil, trabalha como professora há 17 anos na rede municipal de Porto Velho e é contra a reforma. “Primeiramente a gente está em busca de um direito que são de todos os trabalhadores. A reforma vem acabar com tudo que a gente já conquistou. Eu me aposentaria com 60 anos, caso haja as mudanças, só vou me aposentar com 86 anos. É algo que fica inadmissível a gente aceitar”, desabafou a servidora.

 

Fonte: G1 RO