SINDSEF - Sindicato dos Servidores Federais do Estado de Rondônia Servidores do MS devem decidir nesta quarta-feira em Assembleia Geral sobre possível paralisação – SINDSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia
sexta-feira , agosto 12 2022
Home / Notícias / Servidores do MS devem decidir nesta quarta-feira em Assembleia Geral sobre possível paralisação

Servidores do MS devem decidir nesta quarta-feira em Assembleia Geral sobre possível paralisação

O Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia – Sindsef/RO vai realizar nesta quarta-feira (6), nova Assembleia Extraordinária com os servidores do Ministério da Saúde, cedidos ao Sistema Único de Saúde (SUS) para deliberar sobre uma possível paralisação nas atividades de controle da dengue, malária e outras endemias em Rondônia, caso não tenham resposta sobre restabelecimento do adicional de insalubridade que encontra-se suspenso desde janeiro deste ano.

A assembleia está sendo organizada para acontecer em frente ao prédio da Superintendência Estadual do Ministério da Saúde, na Avenida Campos Sales, em Porto Velho.  Caravanas com servidores dos municípios estão sendo esperadas para participar da manifestação.

Reunidos no dia 22 de outubro, no auditório da Coordenação Municipal do Sindsef em Ji-Paraná, representantes de todos os municípios decidiram conceder prazo até esta terça-feira (5/11) para que o Ministério da Saúde se pronunciasse oficialmente sobre o caso.

Em seguida a reunião, a decisão sobre a paralisação foi comunicada oficialmente pelo Sindsef/RO à Superintendência do Ministério da Saúde, ao Governo do Estado, a Presidência da Assembleia Legislativa, a presidência da Associação Rondoniense de Municípios – AROM, aos deputados federais e senadores de Rondônia.

De acordo com o presidente do Sindsef/RO, Abson Praxedes, mesmo tendo a rubrica da insalubridade suspensa há dez meses, não houve interrupção das atividades até o momento, demonstrando assim, a responsabilidade destes servidores para com a proteção à saúde da população frente à malária, dengue e outras doenças endêmicas.

“Todas as medidas de negociação e dialogo foram adotas pelo Sindsef para o devido adicional fosse restabelecido. Porém, a situação chega ao limite da tolerância e medidas emergentes precisam ser tomadas”, afirmou Abson.