SINDSEF - Sindicato dos Servidores Federais do Estado de Rondônia   Servidores federais grevistas realizam ato público no centro de Porto Velho – SINDSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia
quarta-feira , maio 8 2019
Home / Notícias / Destaque /   Servidores federais grevistas realizam ato público no centro de Porto Velho

  Servidores federais grevistas realizam ato público no centro de Porto Velho

_DSC0359
Dezenas de servidores federais em greve reuniram-se hoje na Praça Getúlio Varas, em Porto Velho para um ato público de protesto contra a política de arrocho salarial e de precarização do serviço público do Governo Federal. Os discursos inflamados dos grevistas demonstram que a situação interna vivida em seus órgãos está a cada dia insustentável,como é o caso da Educação. Servidores do Incra, SAMP, Unir, INSS, AGU e IFRO manifestaram-se publicamente suas insatisfações.
 
_DSC0312O representante do Instituto Federal de Rondônia (IFRO), Reginaldo de Souza, disse que só em Rondônia houve um corte orçamentária de R$ 14 milhões. O corte impactou de tal forma as atividades que está causando a evasão de alunos. isso porque o corte atingiu diretamente o pagamento de despesas como vale-transporte e auxílio-alimentação dos alunos e até mesmo o Programa de Iniciação Científica. Os professores do IFRO são também os que possuem os menores salários.
 
“Boa parte dos alunos são de baixa renda e são custeados para ir estudar, através do pagamento de vale-transporte e que fazem refeição dentro do instituto para dar conta da carga horária do ensino técnico que lhes é oferecida”, explicou. Segundo Reginaldo, essa precarização privilegia os alunos que são de família com melhor renda, elitizando de certa forma o ensino técnico. “Filho de pobre não tem vez no IFRO”, comentou.
 
_DSC0375
Na Universidade Federal de Rondônia (Unir), a situação não é diferente. Foi a primeira instituição do Executivo Federal em Rondônia a entrar em greve. O corte orçamentário feito pelo Governo Federal, segundo a professora Vitória Bacon, está levando a inviabilizar até mesmo o funcionamento da instituição, pois as verbas para manutenção dos campus foi atingida. Ou seja, logo não será possível sequer realizar serviços elementares de limpeza e pintura nos prédios.
 
A professora deixou claro em uma Carta Aberta esta semana a insatisfação do movimento com os dirigentes da universidade, que estiveram à frente da Greve da Unir, em 2011 e que culminou com a renúncia do ex-reitor Januário Amaral. “São professores que tem muita familiaridade com o movimento grevista, pois já participaram de vários, mas hoje que hoje mantém-se omissos à nossa causa. Certamente só irão nos procurar para apoiar a causa deles, quando a situação piorar”, previu.
 
_DSC0337No Incra, o corte orçamentário no Ministério do Desenvolvimento Agrário, segundo o representante do Instituto na greve, Claudinei Barreto, analista de sistemas, está inviabilizando serviços como a demarcação de assentamentos e até a liberação de crédito rural a pequenos agricultores. Ele alertou que são dessas propriedades de pequenos agricultores onde são produzidas boa parte dos alimentos que chega à mesa do brasileiro.
 
“Hoje, a verba dada ao Ministério da Agricultura é dez vezes superior ao do Desenvolvimento Agrário. Isso quer dizer que o Governo privilegia mais o agronegócio de exportação do que a produção interna que abastece a mesa do brasileiro”, disse. Uma das principais reivindicações do Incra na greve é o aumento salarial e a realização de concurso público. Segundo ele, não adianta fazer concurso e pagar salário baixo, porque certamente haverá evasões de cargo.
 
_DSC0283Já o presidente do Sindicato dos Servidores do INSS em Rondônia, Sandoval Rodrigues, as pautas da categoria abrangem desde a realização de concurso público, e incorporação de gratificações, até mesmo o fim do assédio moral. Ele explicou que muitos dos servidores estão em via de aposentadoria, ou já se aposentaram e a preocupação maior é que eles estão perdendo 40% do que ganhavam, representando um prejuízo financeiro considerável em suas contas.
 
“Além das perdas acumuladas, também queremos incorporar essas gratificações para evitar que nossas aposentadorias se transformem em pesadelos”, disse Sandoval. Ele explica que inúmeros servidores estão se aposentando com baixos insuficientes para dar conta da manutenção de sua saúde, já que trabalharam a vida inteira e hoje chegam aos 65 e 70 anos acometidos de diabetes, pressão alta e até por lesões por esforço repetitivo (LER).
 
Dentre as reivindicações dos servidores do instituto, há ainda o pedido pela implantação de melhores condições de trabalho (inclusive para atendimento ao público), e treinamento dos servidores (no que diz respeito à atualização sobre a legislação previdenciária).
 
_DSC0336
O secretário jurídico do Sindsef, Paulo Vieira, disse que até a próxima semana, o movimento unificado começará a tomar corpo, pois muitos órgãos do Poder Executivo Federal em Rondônia, iniciam seus movimentos grevistas, como é o caso da Funasa, Ibama e Ministério da Saúde. “É importante nesse momento político difícil que o funcionalismo público federal atravessa que estejamos unidos para enfrentar essa política de sucateamento promovida pelo Governo Federal”, finalizou.
 
Ao final do movimento na manhã de hoje, os servidores grevistas fizeram uma pequena passeata pelo Centro da cidade, saindo da Praça Getúlio Vargas até a 7 de Setembro e parando em frente às escadarias da Universidade Federal de Rondônia.
 
Negociações
 
O Ministério do Planejamento confirmou nova rodada de negociações com a Confederação que representa os servidores federais no Brasil, será nesta sexta-feira (31) as 18:30h em Brasília, para maiores informações acompanhe a página do sindicato. Sindicato é pra Lutar!