SINDSEF - Sindicato dos Servidores Federais do Estado de Rondônia Sindsef busca resposta sobre processos de reenquadramento do NA para NI que estão parados em Brasília – SINDSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia
quinta-feira , maio 21 2020
Home / Notícias / Destaque / Sindsef busca resposta sobre processos de reenquadramento do NA para NI que estão parados em Brasília

Sindsef busca resposta sobre processos de reenquadramento do NA para NI que estão parados em Brasília

Com o objetivo de dar uma resposta aos filiados, o Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia – Sindsef/RO está buscando informações junto a Comissão Especial dos Ex-Territórios Federais de Rondônia, do Amapá e de Roraima – CEEXT, sobre o andamento dos processos de revisão de enquadramento do Nível Auxiliar (NA) para Nível Intermediário (NI), dos servidores transpostos, da categoria funcional de motoristas, auxiliar operacional de serviços diversos e agente de portaria.

Apesar do empenho do presidente do Sindsef/RO, Ildo Mussoi e dos secretários Francisco Torres/Pimpolho (Ex-Território), Joana Darc dos Santos Lima (Assuntos Jurídicos) e Flávia Hiromi (Assuntos Educacionais), que há várias semanas, estão fazendo contato com o presidente da CEEXT, Jamilson França, a única informação obtida é de que a Comissão está com os trabalhos e prazos suspensos devido a pandemia do Corona Vírus.

Em agosto de 2019, o Sindsef protocolou o pedido de quase dois mil servidores transpostos, da área técnica administrativa, solicitando a revisão de enquadramento do Nível Auxiliar (NA) para Nível Intermediário (NI). Quase dez meses depois, os servidores ainda esperam por resposta, amargando prejuízos financeiros com diminuição de seus vencimentos.

Diante dessa situação, o Sindsef/RO unirá forças juntamente com as entidades sindicais de Roraima e Amapá, para continuar requerendo a revisão dos processos via medidas administrativas, junto a CEEXT. Além de mobilizar os deputados federais e senadores dos três estados para que reivindiquem do Ministério da Economia um posicionamento sobre a situação desses servidores.

“Continuares buscando respostas e reivindicando o direito desses servidores de terem seus enquadramentos revistos pelo Governo. O rebaixamento de enquadramento foi um erro cometido e precisa ser reparado”, afirmou o secretário Pimpolho.