SINDSEF - Sindicato dos Servidores Federais do Estado de Rondônia Sindsef é contra aprovação do projeto que sacrifica servidores públicos em prol da renegociação de dívidas – SINDSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia
domingo , agosto 7 2022
Home / Notícias / Destaque / Sindsef é contra aprovação do projeto que sacrifica servidores públicos em prol da renegociação de dívidas

Sindsef é contra aprovação do projeto que sacrifica servidores públicos em prol da renegociação de dívidas

O Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Estado de Rondônia – Sindsef/RO deu início a uma campanha contraria a aprovação do Projeto de Lei Complementar (PLP) 257/2016 do Poder Executivo, que possibilita a renegociação das dívidas dos estados perante a União, porém, impõe uma série de exigências fiscais que prejudicam diretamente os servidores públicos.

Nesta terça-feira, diante da possibilidade de o projeto ser votado na Câmara, o Sindsef/RO, encaminhou aos parlamentares que compõem a bancada federal de Rondônia, um documento solicitando voto contrário a aprovação do PLP que sacrifica o servidor público com a proibição de reajustes salariais, a elevação das contribuições previdenciárias e a implementação de programas de desligamento voluntário e licença incentivada.

OUTDOOR PARLAMENTARES

Além disso, o Sindsef/RO espalhou outdoors em pontos estratégicos de Porto Velho e principais municípios do Estado, com o pedido de “Diga Não ao PLP 257/2016”. A campanha defende que ‘O servidor público federal, estadual e municipal não pode pagar o pato pela crise política e econômica do país’. Pede ainda pelo fim da corrupção na política, fim da sonegação fiscal e incentiva a realização da auditoria cidadã da dívida pública.

Para o presidente do Sindsef/RO, Daniel Pereira, o servidor público não pode ser penalizado pelo atual cenário econômico do país. “Estamos pedindo para que nossos parlamentares federais avaliem com muita atenção essa situação. Que busquem resolver os problemas do Brasil, mas não em cima dos trabalhadores. Não foram os servidores públicos que provocaram essa dívida. Somos conscientes de que estamos dentro de um país que passa por dificuldades, porém, não podemos aceitar que os servidores paguem a conta”, ressaltou.