SINDSEF - Sindicato dos Servidores Federais do Estado de Rondônia Diretores do Sindsef participam em Brasília de seminário sobre negociação coletiva e direito de greve – SINDSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Rondônia
sexta-feira , dezembro 9 2022
Home / Notícias / Notícia urgente / Diretores do Sindsef participam em Brasília de seminário sobre negociação coletiva e direito de greve

Diretores do Sindsef participam em Brasília de seminário sobre negociação coletiva e direito de greve

Os diretores executivos do Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Rondônia (Sindsef), juntamente com delegados de vários municípios do estado, participaram de um seminário nesta quinta-feira, 25, sobre negociação coletiva e direito de greve.

O evento foi promovido pela Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), e seguindo a recomendação da entidade, os sindicatos gerais promoveram debates nos estados e trouxeram para o seminário o conteúdo do que vêm pensando a categoria a respeito desses temas que estão na ordem do dia para o setor.

Para o presidente do Sindsef, Daniel Pereira, “O seminário foi importante para aglutinar os pensamentos da categoria em torno da negociação coletiva e direito de greve”. Alguns pontos foram levantados e serão levados à plenária nacional da Confederação que acontece hoje, 26.
Os pontos aprovados na plenária serão levados para o debate que acontece no fórum que reúne 31 entidades nacionais em defesa dos servidores e serviços públicos.

Sobre o direito de greve, a plenária deverá avaliar e votar se aprova que ela seja autorregulamentada pelos trabalhadores. A respeito de atividades inadiáveis, aquelas que na avaliação do governo não podem parar ou acumular, a proposta a ser votada na plenária será a de que quando instalada a greve, o comando nacional eleito pelos trabalhadores será o responsável por discutir com gestores do governo quais são os setores e quantos são os servidores que precisam permanecer trabalhando em determinado setor.

Outro ponto levantado pelo seminário e que será votado na plenária trata dos dias parados. O entendimento da maioria é de que durante o processo de conflito no curso da greve não deve haver corte de ponto, ou desconto.
O seminário também apontou a necessidade de assegurar no texto de uma proposta a respeito da regulamentação da negociação coletiva e direito de greve que não aconteçam práticas antissindicais como perseguições políticas a quem promove e organiza a luta da categoria. A luta legítima da categoria por melhores condições não pode ser usada por gestores para perseguir ou assediar moralmente nenhum trabalhador. Sobre um observatório de relações de trabalho a maioria entende que é preciso especificar e definir melhor seu papel para que este espaço não tenha caráter deliberativo dentro de um processo de negociação.

Negociado deve ter força de lei – É consenso entre os servidores que todo acordo fruto de um processo de negociação coletiva precisa ter garantido a força de lei. Uma vez negociado e firmado entre as partes do processo o item em questão precisa passar a valer de fato. Dessa forma os servidores não mais correrão o risco de ficar a mercê de vontades posteriores de um governo, nem de mudanças de rumo inesperadas. Também é consenso que a unicidade sindical (um só sindicato representando uma categoria) não deve ser acatada. Isso porque os trabalhadores devem continuar tendo autonomia e liberdade para se organizar da forma como consideram melhor.

A plenária nacional desta sexta será a primeira deste ano. Nela os representantes eleitos pela base da Condsef vão apontar os próximos rumos da luta dos servidores da categoria em busca do atendimento de suas principais reivindicações. As atividades da semana serão concluídas na sexta com uma reunião da Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo de Entidades para estabelecer prioridades, conduzir e concretizar a pauta aprovada pelos servidores da base.

Autor: Carlos Terceiro/Brasília com informações da Condsef
Fonte: www.SINDSEF-RO.org.br